top of page
Fundo Escola do Flow Espectro Final.png
  • Foto do escritorEscola do Flow

BRANCOS NO RAP: PODE OU NÃO PODE ?



Preservando a História do Rap


Antes de mais nada, é importante entender que a humanidade tem o direito de se apropriar das coisas. No entanto, existe uma diferença entre se apropriar e expropriar. Expropriar é quando você tira a raiz de algo e apropria-se sem respeitar sua origem. Isso aconteceu com o rock and roll, por exemplo, onde as raízes negras foram apagadas e o Elvis Presley se tornou o "rei do rock".


No caso do rap, a questão racial nos Estados Unidos é muito forte, e essa tensão racial não pode ser ignorada. Por isso, a presença de brancos no rap pode gerar desconfiança e até mesmo uma sensação de apropriação cultural.


No Brasil, o rap passou por uma transição lenta do centro para a internet, e nesse processo surgiram muitos rappers brancos de classe média que estavam em evidência. Isso gerou uma discussão sobre a descaracterização do rap, que tem suas raízes na periferia e na vivência das comunidades negras.


É importante lembrar que classe tem cor no Brasil, e muitos brancos de periferia também enfrentam problemas semelhantes. No entanto, a descaracterização do rap pode afetar a essência do movimento e tirar a voz das comunidades negras.


O Papel do Branco no Rap


Não é uma questão de proibir ou impedir os brancos de fazerem rap, mas sim de entender qual é o propósito e o impacto de sua presença. É necessário compreender a história e a origem da cultura hip hop, e respeitar essa base para evitar uma apropriação vazia.


Um exemplo de um rapper branco que contribuiu para o rap brasileiro é Gabriel O Pensador, que ajudou a popularizar o gênero e trouxe discussões importantes sobre racismo em suas músicas. No entanto, é importante destacar que ele teve um espaço privilegiado por conta de sua origem de classe média branca.


Além disso, é essencial que os brancos que fazem rap estejam conscientes de suas ações e do poder que possuem. Eles devem contribuir politicamente com o movimento, apoiar as causas das comunidades negras e não apenas se apropriar da estética e do estilo de vida.


A Luta Contra o Racismo


A luta contra o racismo é de todos, independentemente da cor da pele. Brancos conscientes podem somar muito nessa luta, desde que estejam dispostos a compreender a história, respeitar as raízes e combater o projeto de supremacia branca.


É fundamental que o rap não perca sua essência e se torne apenas um produto comercial. A cultura hip hop é um escudo para muitas pessoas oprimidas e vulneráveis, e é importante preservar sua longevidade e seu impacto social.


Portanto, a presença de brancos no rap não é o problema em si, mas sim o propósito e a postura dessas pessoas. A contribuição política, o respeito às raízes e a luta contra o racismo são essenciais para que o rap continue sendo uma voz de resistência e transformação.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page